Pense em morar no Azerbaijão

Quando meu marido começou a me falar sobre a possibilidade de morar no Azerbaijão. Eu quase nem esperei ele terminar a frase e exclamei: não, nem pensar!

E sabe de onde eu falo agora? Diretamente daqui de Baku, no Azerbaijão. Exatos 9 meses depois desse “firme” não! Rsrs

E já posso dizer que foi uma das melhores coisas que eu fiz!
Está certo que acabamos de chegar e, por isso, não é possível ainda afirmar com todas as letras. Tenho muito a conhecer e viver aqui. Mas, é possível comparar com a experiência dos meus primeiros dias em Paris, onde cheguei também pela primeira vez para morar.

Chegar em Baku foi uma experiência leve. As primeiras sensações foram muito positivas. Nos sentimos acolhidos, bem recebidos e daria para dizer até que aqui nos sentimos em casa, sabe? 

Faço essa comparação com Paris, não para dizer que lá não seja bom (apesar de não ser fácil)! Mas também para dizer que aqui foi, para nós, mais gostoso chegar. As pessoas são calorosas, curiosas com quem vem de outra cultura, se esforçam ao máximo para se comunicar e procuram formas de ajudar. Assim como nós brasileiros, eles também sorriem para as crianças. (grande vantagem, já que nem todas as culturas são lá muito receptivas com crianças….)

Enfim, tudo isso para dizer que o lugar que eu nem queria pensar em morar, me fez sentir mais acolhida do que “aquele onde muitos sonham em morar”.

A verdade é que eu, assim como muitos, não sabia nem exatamente onde Baku ficava no mapa. Ouvir um “ão” no final do país me fazia pensar em um lugar perigoso, com ameaças iminente de bombas cruzando o céu, mulheres cobrindo todo o seu corpo com burcas, e uma certa “falta de liberdade” e de aceitação às diferentes culturas.

Pois é, posso quase afirmar que muitos têm essa impressão do “ão”. Numa pequena estatística que fiz sem pretensões, ao contar da mudança, ficou claro perceber que a maioria das pessoas não sabia onde ficava o Azerbaijão e nem como era a vida por aqui. 

Presenciei basicamente dois tipos de reações: os assustados e preocupados – com fisionomia de uma grande exclamação, que nos viam como “corajosos” ou como “malucos” e os que davam risadas – um riso de “não acredito, deve ser brincadeira”, ou um riso de “desespero” mesmo. 

Foi um processo bem divertido….eu tive o desejo de ter uma câmera escondida no botão da camisa para filmar as reações e assisti-las novamente algum tempo depois…

Mas enfim, o que mudou depois do meu categórico “não”?

A mudança aconteceu quando eu realmente me abri para PENSAR na possibilidade. Eu assumi o meu desconhecimento, me permiti sair da zona de conforto. Me dei a chance de conhecer algo que eu não conhecia, sem julgar, e comecei a me encantar com o que descobri nas minhas pesquisas. Fiquei muito curiosa e animada com a mudança!

Chegando aqui, tudo se confirmou e eu só conseguia sentir que esse era o lugar onde um dia eu deveria estar, sabe por quê?

Simplesmente porque aqui é completamente diferente do que eu imaginava!  É bonito, seguro, acolhedor, aberto às diferenças e cheio de lugares interessantes para se conhecer. 

Me sinto bem e sinto que há uma energia diferente….que ainda preciso descobrir melhor. O que já sei é que Azerbaijão significa a Terra do Fogo e que aqui nasceu uma das mais antigas religiões do mundo: o Zoroastrismo – a religião dos adoradores do fogo.

Existem problemas como em qualquer outro lugar, que só é possível descobrir ao viver a experiência. Alguns deles já conhecidos são: o sistema de saúde não muito desenvolvido e os conflitos com a Armênia, país vizinho com quem disputam uma parte do território! 

Mas existe também um novo mundo de cultura vasta e muitos aprendizados à espera! Existe uma chance de desapegar de verdades, crenças e qualquer julgamento, descobrir, aprender, compreender e experimentar outras visões do mundo, outros pontos de vista, outras culturas, outros saberes, outras referências….de mente e coração abertos às diferenças! 

Aqui eu deveria estar para provar que desse mundo eu nada sei….tenho muito o que aprender !!

Então, minha sugestão para você é: pelo menos por um dia, PENSE em morar no Azerbaijão ou em qualquer outro lugar que você não conheça! Porque só de PENSAR, você já descobre coisas novas sobre o mundo e sobre você.

E se puder, além de pensar, abra-se para VIVER algo novo e não antes imaginado. Porque como diz André Gide: “O homem só pode descobrir novos oceanos se tiver coragem de perder a terra de vista”.

“Lembre-se de se aventurar pelos territórios que a sua Alma quer visitar e que estão cheios das revelações que encantarão a sua visão.  Nova vida, novos horizontes podem ser os prêmios de quem teve a coragem de perder de vista a sua praia e responder ao chamado da Alma.”  (Provérbio tibetano citado por Sonia Café)

Carla Merlina Gennari

Baku, 16 de julho de 2020.

19 respostas para “Pense em morar no Azerbaijão”

  1. Ah, amiga, que feliz por ler esse texto leve escrito por você.
    De alegria, de vida boa, de descoberta, de segurança.
    E eu que estava entre as reações preocupadas…..rs

    1. Cá, que registro bonito de sua experiência pelo mundo. Saber entrar com o coração aberto, para tudo o que é diferente, novo, desconfortável, é um dos maiores desafios que temos nessa vida. Adoro participar junto com você dessas descobertas!!

    1. Odino querido, que alegria receber a sua mensagem! Fico muito feliz em saber que o blog será uma forma de estarmos juntos! Obrigada pela sua mensagem e pela sua compania por aqui! Um grande abraço em toda a família!

  2. Como sempre arrasando nos textos!!! Expressou tão bem sua visão, suas sensações deste lugar. Comigo foi diferente…. lutamos com garras e dentes para estar aqui…. pois já havíamos estudado bastante o lugar, o clima, as pessoas. Enfim, eu moradia aqui o resto da minha vida. Traria minha família( pai, mãe e irmãos…) para estar aqui conosco.
    Adorei amiga o texto! Seu blog é fantástico. Parabéns!!!!!

    1. Que delícia receber esse carinho! Que legal compartilhar histórias. Essa é a melhor parte para mim. Um presente. Saber que caminhos diferentes nos trouxeram para o mesmo lugar (literalmente), me faz crer que tínhamos que nos conhecer nessa vida! Beijos no coração!

  3. Amiga que lindo esse texto! E que alegria sentir que estão felizes com a experiência. Nada como permitir que a alma faça escolhas. Que Deus abençoe vocês sempre! Beijão

  4. Oi querida! Pela primeira vez estou aqui no seu blog arrastado pela curiosidade de saber um pouco mais sobre um dos países “ÃO”. Estou em planejamento de mudanças na vida. Minha aposentadoria se aproxima, e realmente meu objetivo é conhecer mais e melhor esse nosso planeta. No momento estou em estudos de possibilidades de novas culturas. Gostaria de ouvir sua experiência sobre o seu novo lar. Claro que fontes de pesquisa não faltam para termos informações, mas gostaria de ouvir suas impressões. Como esse país se relaciona em relação ao homossexualismo, liberdade de expressão, cultura, etc.
    TE desejo muitas alegrias nessa nova jornada!!! Grande beijo!!! 🌹🌹🌹

Deixe uma resposta para Odino Marcondes Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *